27 de out de 2017

o lugar da felicidade!

Bom dia,
Hoje, acordei contente,
depois de ter encontrado
o lugar da felicidade!

Um amigo queria saber o futuro de seu relacionamento, o que me levou aos jogos de tarô.
E clicando num desses jogos em que aparece na tela uma tabela de cartas a clicar em uma,
sem querer, quando passei o mouse, uma delas se iluminou e então decidi obedecer e abrir aquela carta, situada no centro, no alto, à direita na tela. Era uma carta de sucesso nas realizações que me apaziguou. Depois, fui em outro jogo (o tarô das fadas) e cliquei no mesmo lugar e também apareceu uma carta de bons auspícios... Fiquei até comovida de ter encontrado o lugar, apenas indo, sem tentar ser muito diferente e marcar as cartas da beirada e de baixo como me acontecia...

Pois, é a esquerda o coração!
E no centro do peito encontra-se nosso centro,
no cruzamento da cruz!

Tudo vai ficando pra trás e é preciso prosseguir
nesses processos de vida - morte - vida,
assim como no acordar - dormir - acordar,
o sono é reparador.

Vamos deixando para trás todas as demandas não respondidas
A falta de Justiça é extremamente triste,
mas pelo menos se tem que fazer a nossa defesa e
aprender a colocar e agir os limites.

Agora, podemos encontrar ajuda na internet
para não se culpar pois estamos num sistema de violências
no qual eles sempre ganham por serem os criminosos que são!
É o avesso do que idealizamos.
Eles instrumentalizaram o obscuro,
temos que nos unir a qualquer custo para ajudar as crianças
de tamanha perfídia!










15 de jun de 2017

VIVI - Testemunhos - grupo no Facebook

Olá a todos e todas, 

Agradeço os testemunhos e penso que poderíamos manter um contato mais dinâmico 
no grupo do Facebook VIVI - Depoimentos de Vítimas de Violências

VIVI - Depoimentos de Vítimas de Violências e Negligências

https://www.facebook.com/groups/vivi7/

Até lá! 

Mirian Giannella ( facebook.com/Maggia8 )


27 de abr de 2017

Quebrando o tabu


Olá,

Lendo os comentários no blog de Apoio às vítimas, 
sobre ABUSO SEXUAL, 
fica claro que há tradição de incesto, 
o pai ou padrasto como abusador é comum. 
Isto não se fala e se falássemos? 
Se escrevêssemos cartazes ou fotos ou desenhos dizendo:

FUI ABUSADA POR MEU PAI TODA A INFÂNCIA
FUI TORTURADA POR MEU PAI TODA A INFÂNCIA
FUI ABUSADA POR MEU PAI E DEPOIS PELO VIZINHO 
FUI ESTUPRADA
SOFRI ESTUPRO COLETIVO
FUI JOGADA NA CELA COM 30 HOMENS

Vamos falar sobre isso? 
É hora de romper o silêncio!



Fui esganada ao nascer por papai médico! 



En Français: 
Lisant les coments sur Abus Sexuels on voit qu'il y a tradition d'inceste, et si on romp le silence?

Dire: J'ai été abusée par papa toute l'enfance

j'ai été torturée par papa toute l'enfance
... 

21 de mar de 2017

Os textos do blog em Livros



Apresentando os textos do blog

http://www.zinepal.com/ebook/mirian-giannella/257837


http://www.zinepal.com/ebook/mirian-giannella/257822


http://www.zinepal.com/ebook/mirian-giannella/257826

23 de fev de 2017

Hospital de referência em São Paulo

Neste Carnaval, proteja-se!

HOSPITAL PÉROLA BYINGTON

ASSISTÊNCIA PSICOSOCIAL
http://www.redededefesadedireitos.com.br/assistencia-psicossocial/hospital-perola-byington-programa-bem-me-quer-e-delegacias/

Às Vítimas de violências

Vida – morte – vida se alternam
gerando movimento
Não estagnem a vida!
Não somos apenas passivas,
Também somos ativas!

É difícil saber o que dizer, que posturas tomar, para não atropelar e não banalizar o sofrimento que é imenso. Tem gente muito jovem por aqui!

Inserir a violência no social nos tira do isolamento e podemos começar a perceber que a situação é bem mais grave por ser estrutural e o que é proposto é apenas mais violência.

Então, abrir e trilhar seu caminho de expressão para a metabolização e digestão do desgosto de termos sido roubadas de nossa identidade e dignidade. Colocando em palavras, em desenhos, em esculturas de argila podemos ir nos sentindo e nos vendo e situando os danos e os traumas para nos separar deles.

Para não ficar se enchendo de drogas, comidas e bebidas só se centrando muito em si para saber o que se precisa, então estar numa posição ativa de autocura e autotratamento experimentando o que a natureza nos oferece. A camomila me acalmou e me fez dormir melhor, por exemplo. E ir se vendo até não precisar mais reproduzir a violência, um longo caminho. E não esperar dos outros, porque o outro, está sempre em outro lugar. Falar apenas em ambientes protegidos com gente sensível aos casos de violências.

Aprender a socializar a angústia em forma de luta política, aderir às reivindicações de todas as mulheres do mundo neste 8 de março, dia de luta das mulheres, as mulheres vão se unir com todos os resistentes neste dia. O que gostaria de dizer? Eu diria:

Vida – morte – vida se alternam
gerando movimento,
não estagnem a vida!
Não somos só passivas,
também somos ativas!


PS: Neste Carnaval, proteja-se! 

11 de jan de 2017

Concluindo meu processo


Então, pelo menos Uma 
entendeu o que eu dizia e pôde me ajudar 
na reparação do deslocamento no pescoço, 
a profª de Yoga, Marcela Maia, numa aula particular, 
empurrou a cartilagem do pescoço com as duas mãos, 
jogando o peso do seu corpo, insistindo um pouco, 
e saiu falando de cura. 

Foram impressionantes os efeitos sentidos imediatamente: 
a liberação do movimento da cabeça e 
do corpo todo que ficou mais flexível e solto, 
menos desconfortável, 
uma força imensa que me impedia de me mexer 
se dissolveu naquele momento! 
Foi maravilhoso! 
Era aquilo que me interditava!
Agora, sobra mais espaço dentro da boca! 

Boa reparação a tod@s!